quinta-feira, 10 de abril de 2014

Na Neblina estreia em Porto Alegre




A partir de terça-feira, 15 de abril, o filme bielo-russo Na Neblina, dirigido por Sergei Loznitsa, vencedor do prêmio da crítica no Festival de Cannes de 2012, entra em cartaz na Sala P. F. Gastal da Usina do Gasômetro (3º andar). A exibição é em 35mm. Os documentários Memórias de Xangai, de Jia Zhang-ke, e Revelando Sebastião Salgado, de Betse de Paula, seguem na programação.

Em 1942, a região da Bielorrússia está ocupada pelas tropas alemãs nazistas. Quando um trem repleto de alemães sai dos trilhos, gerando diversas mortes, quatro trabalhadores ferroviários são acusados de sabotagem. Três deles são enforcados, exceto um, liberado pelos líderes nazistas. Sem saber o porquê de sua liberação, este homem passa a viver um calvário, sendo rejeitado pelos amigos e familiares, que o consideram um colaborador do regime inimigo.

Também autor de Minha Felicidade, narrativa forte sobre a espiral de violência que absorve a população de sua região, Sergei Loznitsa é um dos nomes mais aclamados do cinema realizado na região russa atualmente. Sobre Na Neblina, afirmou à crítica do jornal O Globo que “o romance do protagonista é a história de um homem diante de um dilema moral. É um conto sobre o preço a ser pago para preservar a dignidade humana. Essa situação poderia se passar em qualquer tempo, país, regime. Por isso é tão poderosa”.  


NA NEBLINA
(V tumane, 2012, 127 minutos)
Alemanha/Rússia/Holanda/Bielorrússia/Letônia
Direção: Sergei Loznitsa
Elenco: Vladimir Svirskiy, Vladislav Abashin, Sergei Kolesov, Nikita Peremotovs
Distribuição: Filmes da Mostra


GRADE DE HORÁRIOS
15 a 20 de abril de 2014



15 de abril (terça)

15:00 – Revelando Sebastião Salgado
17:00 – Memórias de Xangai
19:00 – Na Neblina

16 de abril (quarta)

15:00 – Revelando Sebastião Salgado
17:00 – Memórias de Xangai
19:00 – Na Neblina

17 de abril (quinta)

15:00 – Revelando Sebastião Salgado
17:00 – Memórias de Xangai
19:00 – Na Neblina

18 de abril (sexta)

15:00 – Revelando Sebastião Salgado
17:00 – Memórias de Xangai
19:00 – Na Neblina

19 de abril (sábado)

15:00 – Revelando Sebastião Salgado
17:00 – Memórias de Xangai
19:00 – Na Neblina

20 de abril (domingo)

15:00 – Revelando Sebastião Salgado
17:00 – Memórias de Xangai
19:00 – Na Neblina


segunda-feira, 7 de abril de 2014

6º Festival Escolar de Cinema está chegando!




O Festival Escolar de Cinema, uma das mais importantes ações do Programa de Alfabetização Audiovisual, iniciativa que visa aproximar o cinema do contexto escolar, chega em 2014 à sua sexta edição, tornando-se um hábito dentro do calendário escolar da rede pública de ensino. Este ano a expectativa é que cerca de 10.000 estudantes e professores de escolas municipais e estaduais de Porto Alegre, assistam a filmes especialmente selecionados para as faixas etárias dos estudantes, da Educação Infantil ao Ensino de Jovens e Adultos, em três salas de cinema da capital.





O Programa de Alfabetização Audiovisual tem produzido importantes discussões entre os alunos e a reflexão por parte dos professores de formas de acessar e produzir audiovisual no universo da Escola Pública. Através da experiência cinematográfica, a educação do olhar é capaz de criar espectadores com repertório e com o prazer da crítica.

O 6º Festival Escolar de Cinema acontecerá durante cinco semanas de programação, entre os dias 06 de maio e 06 de junho, com sessões em três turnos, de terça a sexta-feira, nas salas de cinema P. F. Gastal, CineBancários e Sala Redenção, espaços de cinema consagrados da cidade.

A seleção de filmes preparada para este ano, traz uma série de obras importantes, realizadas em cinematografias distintas, capazes de oferecer uma experiência singular aos estudantes e professores da rede.

O principal destaque desta edição é o longa-metragem Hoje Eu Quero Voltar Sozinho, de Daniel Ribeiro, vencedor de três prêmios no Festival de Berlim deste ano. Trazendo à tela o despertar da sexualidade de um adolescente cego, o filme retoma a narrativa pincelada no belíssimo curta-metragem, Eu Não Quero Voltar Sozinho, dirigido pelo mesmo autor. O Festival Escolar de Cinema, oferece aos alunos das escolas públicas a exibição do longa simultaneamente ao seu lançamento no circuito comercial, garantindo aos estudantes a oportunidade de participar do debate do filme no momento do lançamento de um dos mais aguardados títulos da recente produção nacional.

Outro ponto alto do Festival são as três deliciosas animações programadas: a tradição da arte seqüencial das produções franco-belgas faz a diferença em Zarafa, jornada de superação de uma pequena girafa, dirigido por Remi Bezançon e Jean-Christophe Lie, enquanto a homenagem ao futebol do argentino Um Time Show de Bola, de Juan José Campanella, vencedor do Oscar de Melhor Filme Estrangeiro com O Segredo dos Seus Olhos, traz novos olhares ao tema num ano tão marcado pelo esporte. Saudado por público e crítica como um dos grandes lançamentos de 2014, premiado em festivais do mundo todo, o brasileiro O Menino e o Mundo, de Alê Abreu, completa as seleção dedicada ao gênero.

No programa de curtas e trechos selecionados para os pequenos, estão desde um clássico eterno do cinema mudo, como um fragmento divertidíssimo de Sete Oportunidades, de Buster Keaton, passando pelo deslumbre visual da seqüência do pomar dos pessegueiros de Sonhos, de Akira Kurosawa, além de um episódio da animação Tom & Jerry em que os personagens vão ao cinema e Marujos do Amor, filme de George Sidney, em que o célebre ratinho divide a dança com Gene Kelly. Na programação, também serão exibidos uma série de curtas-metragens de animação brasileiros (Tem um Dragão no Meu Baú, Doce Ballet, Musicaixa, Uma Estrela no Quintal e Pombinha Branca) e o primeiro episódio de Os Simpsons, um marco da cultura pop contemporânea.

O Programa de Alfabetização Audiovisual e 6º Festival Escolar são uma realização da UFRGS – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Secretarias Municipais da Cultura e da Educação, com parceria da Secretaria de Educação do Estado do Rio Grande do Sul, SindiBancários, Sala Redenção e Sala P. F.  Gastal.





Serviço:
6º Festival Escolar de Cinema
De 06 de maio a 06 de junho
Nas Salas de Cinema PF Gastal, CineBancários e Redenção
Agendamentos através dos telefones 51 3289 8134 / 3289 8132
A partir do dia 07 de abril, de segunda a sexta-feira das 08h30 às 12h e das 14h às 18h.

quinta-feira, 3 de abril de 2014

Documentário de Jia Zhang-ke na Sala P. F. Gastal





A partir de terça-feira, 8 de abril, a Sala P. F. Gastal da Usina do Gasômetro (3º andar) promove a estreia do documentário chinês Memórias de Xangai, dirigido pelo premiado cineasta Jia Zhang-ke. A exibição é em 35mm. Também permanecem na programação O Estranho Caso de Angélica, de Manoel de Oliveira, e Revelando Sebastião Salgado, de Betse de Paula.  

Xangai, fascinante megalópole portuária, conheceu imensas perturbações desde 1930: revoluções políticas e culturais, assassinatos, fluxos de população. Dezoito pessoas, entre elas o cineasta Hou Hsiao-hsien, a atriz Rebecca Pan, dos filmes de Wong Kar-wai, e Zuo Qiansheng, assistente de Michelangelo Antonioni no documentário que o diretor italiano rodou na China, em 1972, recordam as suas vidas nesta cidade em perpétua evolução, as suas experiências pessoais, como dezoito capítulos de um livro

Um dos autores mais importantes da China contemporânea, Jia Zhang-ke mantém em sua produção um constante diálogo entre o documental e o ficcional. Em filmes como Plataforma (2000), O Mundo (2004), Em Busca da Vida (2006) e Um Toque de Pecado (2013) o realizador encontrou na ficção uma forma de documentar as transformações vividas pelo seu país nas últimas décadas, momentos de grande crescimento econômico mas também de fissuras violentas, embora muitas vezes silenciosas, entre o governo e a população, o velho e o novo, o público e o íntimo. Em Memórias de Xangai, exibido pela primeira vez no Festival de Cannes de 2010, as narrativas dos entrevistados acabam criando um precioso catálogo de impressões a respeito do passado e do presente da maior cidade chinesa.    



Memórias de Xangai
(Hai shang chuan qi)
Dirigido por Jia Zhang-ke
China, 125 minutos
Com: Hsin-i Chang, Dan-qing Chen, Han Han, Hsiao-hsien Hou, Rebecca Pan e outros.




GRADE DE HORÁRIOS
8 a 13 de abril de 2014
8 de abril (terça)

15:00 – Revelando Sebastião Salgado
17:00 – O Estranho Caso de Angélica
19:00 – Memórias de Xangai

9 de abril (quarta)

15:00 – Revelando Sebastião Salgado
17:00 – O Estranho Caso de Angélica
19:00 – Memórias de Xangai

10 de abril (quinta)

15:00 – Revelando Sebastião Salgado
17:00 – O Estranho Caso de Angélica
19:00 – Memórias de Xangai

11 de abril (sexta)

15:00 – Revelando Sebastião Salgado
17:00 – O Estranho Caso de Angélica
19:00 – Memórias de Xangai

12 de abril (sábado)

15:00 – Revelando Sebastião Salgado
17:00 – O Estranho Caso de Angélica
19:00 – Memórias de Xangai

13 de abril (domingo)

15:00 – Revelando Sebastião Salgado
17:00 – O Estranho Caso de Angélica
19:00 – Memórias de Xangai

quarta-feira, 2 de abril de 2014

Cumbuca Filmes lança o curta Frágil na Sala P. F. Gastal




Frágil, o mais recente trabalho da Cumbuca Filmes, será lançado no dia 4, sexta-feira, às 21h, na Sala P. F. Gastal da Usina do Gasômetro (3º andar). A entrada é franca.

Com anseios e dilemas cotidianos, o filme de Renata Heinz tem Rafaela Cassol no elenco e trilha sonora do pianista Luciano Leães. "A proposta, desde o inicio, foi retratar alguma situação cotidiana da personagem, comum a muitas pessoas. Ou seja, quase todo mundo se viu um pouco nela, mas ao mesmo tempo questionar: o quanto de mim há nela, o quanto dela há em mim?", diz Renata. "As vezes pregamos um distanciamento do autor com relação a obra, o meu caminho foi oposto." Deixar-se afetar a ponto de ultrapassar o limites entre a realidade do autor e a ficção da personagem é o objetivo do filme.


A sintonia descrita por Renata entre autor e personagem não poderia ser representada por outra atriz que não Rafaela Cassol, que esta presente em diversos outros trabalhos produzidos pela Cumbuca Filmes, como exemplo Sangue e Goma (2011), Esquisita Sofrenia (2008) e OFFORA (2005). Em Frágil, o roteiro inicial passou por um processo de trabalho nas discussões entre atriz, personagem e autor, para possibilitar a exposição de um universo  interior em pensamentos que possuem naturalmente fluxo próprio. "Assumimos isso oficialmente quando me proponho a narrar e interferir na história. História que já não é somente minha, nem da Rafaela, nem de Ana, mas também de quem assiste." A personagem Ana anseia por mudança, seja ela um deslocamento físico ou uma ação interna, traz à tona a dificuldade e a dor que sentimos no momento que antecede a saída dessa zona de conforto.
A parceria com Luciano Leães também já se repetiu em outros trabalhos da Cumbuca. Leães fez a trilha de três documentários e de três curtas dirigidos por Renata. O clipe da música Tit for Tat do pianista foi produzido pela Cumbuca e estrelado por Rafaela. Além disso, Renata registrou e produziu projeções para os shows de Leães para o projeto Blues in Clio Arte do Studio Clio.


Comemorando seus 10 anos, a Cumbuca tem em seu histórico três documentários, 11 curtas, registros de shows e  produção de videoclipes. Marcando esta dada, a produtora conta com um site novo que pode ser acessado em www.cumbucafilmes.com.br.
Sinopse: Uma mulher prestes a encarar uma mudança. Frágil é o que carrega consigo e também a verdade na relação entre a personagem e a autora. Desejos e sentimentos se misturam e se dividem, mas não incólumes, cada um em seu mundo, real e imaginado, ficção ou não.Trailer: 
Trailer: http://youtu.be/SofPsxzpuk0

Renata Heinz:
Professora da Unisinos, coordena os curtas de fim de curso da Unisinos. É diretora de arte e professora dessa disciplina no curso de especialização.
Sócia fundadora da Cumbuca Filmes, Renata Heinz dirigiu, coproduziu e roteirizou os documentários Horror.DOC (72 min , 2012), Diversa Cidade - Um retrato do FSM (32 min, 2010), Berlim Brasil (70 min, 2009), Apolonio doc+show (75 min, 2009), Vida em Comum Incomum - Série FSM2005(15min, 2005) e Fome d Q? (10 min, 2004). Além de exercer essas funções na série de pequenos registros que documentaram o Fórum Social Mundial de 2005: Quente / Frio, Som e Antes da Escuridão, exibidos durante o evento através do Panorama Fórum, alguns retransmitidos em países da América do Sul. Dirigiu e roteirizou os curtas: Sangue e Goma (2011), Legendas (2008), Esquisita Sofrenia (2008), Saco!(2007), Corpo Frio (2006), Alinhavo, deu nó! (2005), Querer Mudo (2005), OFFORA (2005).


Luciano Leães:
Um dos pianistas mais importantes do blues no Brasil. Foi vencedor do Prêmio Açorianos de 2013 como Melhor Instrumentista de Disco POP e foi responsável pela abertura do show de Elton John no Estádio do Zequinha em Porto Alegre no ano de 2013.

Rafaela Cassol: 
Participou de diversos curtas produzidos pela Cumbuca como atriz. É vencedora do Prêmio Aplauso de Teatro (SP) como melhor atriz coadjuvante e vencedora da categoria Melhor Atriz do Festival de Santa Rosa (2011) pela atuação em Sangue e Goma.


FICHA TÉCNICA:
Elenco: Rafaela Cassol
Direção, Roteiro, Direção de Foto, Direção de Arte, Produção: Renata Heinz
Trilha Original: Luciano Leães
Assistência de Arte: Mariana Machado

SERVIÇO:
O que: Lançamento do curta Frágil
Quando: 4/4
Horário: 21h
Onde: Sala P.F. Gastal - Usina do Gasômetro (Avenida Presidente João Goulart, 551)

Mais informações:Lizi Cordeiro - liziane@gmail.com(51)92756520

sábado, 29 de março de 2014

O Estranho Caso de Angélica estreia na Sala P. F. Gastal




Um dos filmes mais elogiados dos últimos tempos, O Estranho Caso de Angélica, do cineasta português Manoel de Oliveira, entra em cartaz na Sala P. F. Gastal da Usina do Gasômetro (3º andar) a partir desta terça, 01 de abril, com exibições em 35mm. O documentário Revelando Sebastião Salgado, de Betse de Paula, também permanece na programação.

Na Portugal da década de 1950, o fotógrafo Isaac (Ricardo Trêpa) vai à região do Douro para documentar antigos métodos de trabalho nas vinhas. Hospedado numa pequena pensão, ele é acordado subitamente à noite para fotografar o corpo de Angélica (Pilar López de Ayala), uma linda moça que acabara de falecer. Quando realizou O Estranho Caso de Angélica, Manoel de Oliveira já havia passado dos 100 anos – hoje, aos 105, continua produzindo e promete um novo filme para 2014.

Especialmente depois dos anos 2000 – o olhar oliveiriano em relação à morte se torna cada vez mais particular, com a companhia costumeira de um senso de humor desconcertante. Ao colocar a imagem como horizonte poético de sua obra, Oliveira acentua em O Estranho Caso de Angélica o lirismo de obras-primas anteriores sobre o tema como Vou Para Casa (2001) e O Espelho Mágico (2005)

Segundo o crítico Filipe Furtado, em crítica publicada na revista Cinética, “há toda uma afirmação de fé cinematográfica contida neste seu salto romântico no escuro. Afirmação esta que se bifurca ao longo do filme de múltiplas maneiras, seja na forma com que as excentricidades particulares de cada coadjuvante (a empregada, o mendigo, os habitantes da pensão) ajudam a constituir este mundo próprio, seja na forma como os sonhos e pesadelos de Isaac remetam ao mesmo tempo a Cocteau e Méliès”.


O Estranho Caso de Angélica
Direção: Manoel de Oliveira
(Portugal/Espanha/França/Brasil, 97 minutos, 2010)
Elenco: Pilar López de Ayala, Filipe Vargas, Carmen Santos, Ricardo Trêpa
Exibição em 35mm


GRADE DE HORÁRIOS
1 a 6 de abril de 2014

1 de abril (terça-feira)

15:00 – O Estranho Caso de Angélica
17:00 – Revelando Sebastião Salgado
19:00 – O Estranho Caso de Angélica

2 de abril (quarta-feira)

15:00 – O Estranho Caso de Angélica
17:00 – Revelando Sebastião Salgado
19:00 – O Estranho Caso de Angélica

3 de abril (quinta-feira)

15:00 – O Estranho Caso de Angélica
17:00 – Revelando Sebastião Salgado
19:00 – O Estranho Caso de Angélica

4 de abril (sexta-feira)

15:00 – O Estranho Caso de Angélica
17:00 – Revelando Sebastião Salgado
19:00 – O Estranho Caso de Angélica

5 de abril (sábado)

15:00 – O Estranho Caso de Angélica
17:00 – Revelando Sebastião Salgado
19:00 – O Estranho Caso de Angélica

6 de abril (domingo)

15:00 – O Estranho Caso de Angélica
17:00 – Revelando Sebastião Salgado

19:00 – O Estranho Caso de Angélica

segunda-feira, 24 de março de 2014

SESSÃO PLATAFORMA ESTÁ DE VOLTA

A primeira Sessão Plataforma de 2014 acontece nesta terça-feira, 25 de março, às 20h30, na Sala P. F. Gastal da Usina do Gasômetro (3º andar), com reprise no sábado, 29 de março, às 17h30. Na ocasião, será apresentado o filme alemão A Doença do Sono, de Ulrich Köhler, premiado com o Urso de Prata no Festival de Berlim de 2011. A exibição é em 35mm, com legendas eletrônicas em português, numa realização conjunta com o Goethe-Institut.

Ebbo e Vera Velten moram há muito tempo na África, onde ele coordena um programa para pessoas que sofrem de transtornos do sono. Seu trabalho lhe basta. Mas Vera sente-se cada vez mais desconfortável com a vida na comunidade exilada de Yaounde e com a distância da filha Helen, de 14 anos, que estuda na Alemanha. Para não perder a mulher que ama, Ebbo precisa desistir de sua vida na África. Mas ele se torna um estranho na Europa, e seu medo de voltar aumenta com o passar dos dias. Anos depois, Alex Nzila, um jovem médico francês de origem congolesa, viaja a Camarões para avaliar o desenvolvimento de um projeto. Lá, em vez de encontrar novas ideias, ele se depara com um homem perdido e destrutivo. Como um fantasma, Ebbo se afasta de seu avaliador.
A Doença do Sono (Schlafkrankheit)
dir: Ulrich Köhler, 91min, ALE/FRA/HOL, 2011.

- 61ª Berlinale - Berlin International Film Festival - Competição Oficial. Prêmio Urso de Prata (Melhor Diretor)
- 49º New York Film Festival.
- 55º BFI London FIlm Festival.
- CPH:PIX 2011.
- 13º BAFICI 2011.
25 de março, 20:30hrs, exibição em 35mm com legendas eletrônica em português.
 Reprise única: 29 de março, 17:30hrs.

domingo, 23 de março de 2014

APTC2014 apresenta filmes e debates sobre produções do RS





Comemorando a semana de Porto Alegre, a Sala P. F. Gastal da Usina do Gasômetro (3º andar) promove em parceria com a APTC, entre os dias 27 e 30 de março, uma mostra dedicada a produções que marcaram o audiovisual gaúcho no último ano. Entre curtas e longas, serão apresentados 28 filmes, incluindo ficções, documentários e produções para a televisão. Além da mostra de filmes, a APTC2014 também realiza uma série de debates colocando em discussão as características e os rumos das produções do estado, sem distinção de gênero ou formato. A entrada para toda a programação é gratuita.

De sexta a domingo, sempre às 20h30, acontecem os três debates programados na mostra APTC2014: a mesa 1: RS e o exterior, dia 28, com a participação de profissionais do audiovisual gaúcho que tiveram experiências importantes em festivais internacionais; a mesa 2: fora do fora do eixo, dia 29, com realizadores que se destacam produzindo no interior do estado; e a mesa 3: perspectivas, dia 30, com realizadores de diferentes gerações debatendo as questões estéticas e temáticas do cinema realizado hoje no RS, além das particularidades da produção local, tendo como referência os lançamentos prometidos para 2014.  Os nomes dos integrantes das mesas e dos mediadores serão divulgados em breve.   
 
A Associação Profissional de Técnicos Cinematográficos do Rio Grande do Sul - APTC/ABD-RS - trabalha desde 1985 buscando a consolidação do audiovisual do estado, atuando como porta-voz dos realizadores gaúchos junto ao poder público e à iniciativa privada.






GRADE DE PROGRAMAÇÃO
27 a 30 de março de 2014

DaLua Downhill, de Rodrigo Pesavento, Fernanda Franke Krumel e Tiago De Castro (2013, 88 minutos)
A jornada de Douglas Rodrigues da Silva, o Dalua, em busca do título mundial de “Skate Downhill” - um dos esportes mais radicais do mundo, onde os skatistas descem ladeiras em velocidades superiores a 110 Km/h. Durante 2 anos, o filme acompanha o atleta brasileiro em suas viagens ao redor do mundo, revelando que, para além das competições, existe uma história de garra, paixão, pressão e dor. Amizade e rivalidade despertam sentimentos conflituosos entre os atletas. Afinal, o que os une, também os separa.

Simone, de Juan Zapata (2013, 76 minutos)
Após anos de relacionamentos com outras mulheres, SIMONE decidiu estar com um homem pela primeira vez. Baseado em uma história real, o longa-metragem mistura a linguagens documental e ficcional, jogando com a criação cênica e a montagem, criando um universo único, particular e íntimo. SIMONE é um filme que questiona o conceito de liberdade sexual.

Mais uma Canção, de Rene Goya Filho (2013, 100 minutos)
Documentário sobre Bebeto Alves, um dos nomes mais consagrados da música popular gaúcha. Investigando as raízes da milonga, gênero que ultrapassa fronteiras, Bebeto viaja da Península Ibérica ao norte da África, provocando discussões a respeito do velho embate entre música periférica e mainstream.

Dyonélio, de Jaime Lerner (2013, 70 minutos)
O documentário retrata a vida do político, psiquiatra e escritor Dyonélio Machado, que já foi perseguido por suas ideias consideradas comunistas. O filme mistura passagens da vida do artista com trechos de suas obras, como os romances "Os Ratos" e "O Louco do Cati".

Cinco Maneiras de Fechar os Olhos, de Abel Roland, Emiliano Cunha, Amanda Copstein, Filipe Matzembacher e  Gabriel Motta Ferreira (2012, 77 minutos)
Quatro pessoas tiram suas máscaras após a morte de uma jovem. A fábula de uma raposa que encontrou um coelho.

Xico Stockinger, de Frederico Mendina (2013, 86 minutos)
Xico Stockinger migra para o Brasil após a I Guerra Mundial. Seu sonho é se tornar piloto de avião, mas sua origem austríaca o proíbe de concluir o curso quando o Brasil ingressa na II Guera Mundial. Inicia como aprendiz do artista Bruno Giorgi, quando abraça um novo sonho: a arte. A inabalável capacidade criativa de Xico ao longo da vida repercutiu entre seus contemporâneos e ainda ecoa na sociedade. “Xico Stockinger” mostra sua história, entremeada por eventos históricos, suas técnicas e suas obras. Um filme documentário sobre a importância da perseverança, sobre a necessidade de realização pessoal.

O Liberdade, de Cíntia Langie e Rafael Andreazza (2012, 71 minutos)
O documentário musical O Liberdade conta a história de um bar muito peculiar: durante o dia funciona como restaurante popular e atende a um público de agricultores de origem alemã e à noite transforma-se no reduto da música mais genuinamente brasileira: o choro.

PROGRAMA CURTAS 1

•Um Diálogo de Ballet (Filipe Matzembacher e Márcio Reolon, 8 min)
•Linda, um História Horrível (Bruno Barreto, 20 min)
•Ed (Gabriel Garcia, 14 min)
•A Princesa (Rafael Duarte e Taísa Ennes Marques, 20 min)
•O Matador de Bagé (Felipe Iesbick, 15 min)
•Coisas que POA Fala no Churrasco (Marco Carvalho, 3 min)


PROGRAMA CURTAS 2

•Férias (Iuli Gerbase, 9 min)
•Tomou Café e Esperou (Emiliano Cunha, 13 min)
•Codinome Beija-Flor (Higor Rodrigues, 20 min)
•O Homem que Conserta Estrelas (Denise Marchi, 15 min)
•As Memórias do Vovô (Cíntia Langie, 19 min)


PROGRAMA CURTAS 3

•27 Corações (Cris Aldreyn, 15 min)
•Davi e os Aviões (Pedro Achilles, 12 min)
•Kassandra (Ulisses da Motta Costa, 24 min)
•Fantasmas da Cidade (Daniel de Bem, 24 min)


PROGRAMA CURTAS 4

•Coisas que POA Fala na Praia (Marcos Carvalho, 3 min)
•Trique Trique (Vicente Schereder, 14 min)
•Os Filmes estão Vivos (Fabiano de Souza e Milton do Prado, 25 min)
•Libertadores (Gabriel Rubim, 13 min)
•Ruído Branco (Lucas Sá e Mateus Neiss, 7 min)
•Amores Passageiros (Augusto Canani, 24 min)









GRADE DE HORÁRIOS
27 a 30 de março de 2014


27 de março (quinta)
14:00 – DaLua Downhill (88)
16:00 – Revelando Sebastião Salgado (75)
17:30 – Simone (76)
19:00 – Coquetel de abertura da mostra APTC2014
20:00 – Programa de curtas 1

28 de março (sexta)
14:00 – Mais uma Canção (100)
16:00 – Revelando Sebastião Salgado (75)
17:30 – Dyonélio (70)
19:00 – Programa de curtas 2 (80 minutos)
20:30 – Mesa 1: O RS e o exterior

29 de março (sábado)
14:00 – Cinco Maneiras de Fechar os Olhos (77)
16:00 – Revelando Sebastião Salgado (75)
17:30 – Sessão Plataforma: A Doença do Sono (90)
19:00 – Programa de curtas 3
20:30 – Mesa 2: Fora do fora do eixo

30 de março (domingo)
14:00 – Xico Stockinger (86)
16:00 – Revelando Sebastião Salgado (75)
17:30 – O Liberdade (71)
19:00 – Programa de curtas 4
20:30 – Mesa 3:  Perspectivas


Revelando Sebastião Salgado permanece em cartaz






O documentário Revelando Sebastião Salgado, dirigido por Betse de Paula, permanece em cartaz na Sala P. F. Gastal da Usina do Gasômetro (3º andar) até domingo, dia 30 de março, com horários detalhados abaixo. O ingresso custa 6 reais, com meia entrada para estudantes e idosos.  

Revelando Sebastião Salgado é o primeiro documentário brasileiro sobre um dos mais importantes e mais respeitados fotógrafos contemporâneos, reconhecido por seu estilo único de fotografar. O documentário busca entender e revelar o universo e a personalidade do fotógrafo Sebastião Salgado, que saiu de uma pequena cidade no interior de Minas Gerais e ganhou o mundo.

O fio condutor é uma entrevista realizada em fevereiro de 2012, em Paris, onde o fotógrafo vive. Durante a conversa, foram abordadas questões como o início de sua carreira como fotógrafo, a importância do fotojornalismo – ele conta histórias de coberturas importantes, como a célebre foto do atentado ao presidente Reagan –, a mudança para Paris, a utilização do preto e branco como suporte preferencial, a escolha dos temas, a transição para o digital, e, finalmente, como é ser um dos principais fotógrafos do mundo. No estúdio do artista, foram registradas diversas etapas de seu processo criativo, desde o envolvimento com as pessoas retratadas até a imersão no universo a ser revelado.

O filme revela, ainda, a intimidade de “Tião” - como Salgado é carinhosamente chamado pelos mais próximos - em casa, entre seus quadros e livros. Ele conta aspectos da rotina pessoal e de trabalho, bem como da vida em família, ao lado da esposa Lélia e do filho Rodrigo, artista plástico portador de Síndrome de Down.

Revelando Sebastião Salgado foi selecionado pelo edital para Produção de Documentários para TV por Assinatura, uma parceria entre a RioFilme e a Secretaria de Estado de Cultura do Rio de Janeiro e o Canal Brasil. O documentário foi produzido em associação com as produtoras Mapa Filmes e Raiz Forte.



GRADE DE HORÁRIOS
25 a 30 de março de 2014

  

25 de março (terça)
14:00 – Revelando Sebastião Salgado
16:00 – Revelando Sebastião Salgado
18:00 – Revelando Sebastião Salgado
20:30 – Sessão Plataforma (A Doença do Sono)

26 de março (quarta)
14:00 – Revelando Sebastião Salgado
16:00 – Revelando Sebastião Salgado
18:00 – Revelando Sebastião Salgado
20:00 – Lançamento de Terraqueos, de Frederico Ruas

27 de março (quinta)
14:00 – DaLua Downhill (88)
16:00 – Revelando Sebastião Salgado (75)
17:30 – Simone (76)
19:00 – Coquetel de abertura da mostra APTC2014
20:00 – Programa de curtas 1

28 de março (sexta)
14:00 – Mais uma Canção (100)
16:00 – Revelando Sebastião Salgado (75)
17:30 – Dyonélio (70)
19:00 – Programa de curtas 2 (80 minutos)
20:30 – Mesa 1: O RS e o exterior

29 de março (sábado)
14:00 – Cinco Maneiras de Fechar os Olhos (77)
16:00 – Revelando Sebastião Salgado (75)
17:30 – Sessão Plataforma: A Doença do Sono (90)
19:00 – Programa de curtas 3
20:30 – Mesa 2: Fora do fora do eixo

30 de março (domingo)
14:00 – Xico Stockinger (86)
16:00 – Revelando Sebastião Salgado (75)
17:30 – O Liberdade (71)
19:00 – Programa de curtas 4
20:30 – Mesa 3:  Perspectivas

sábado, 22 de março de 2014

Experiência com material encontrado na internet, Terraqueos ganha lançamento na Sala P. F. Gastal




Nesta quarta-feira, 26 de março, às 20h, a Sala P. F. Gastal da Usina do Gasômetro promove o lançamento do longa-metragem Terraqueos – vestígios de uma era digital, experiência audiovisual construída com material da internet, realizada por Frederico Ruas e produzida pela Anti Filmes. A entrada é franca. 

Terraqueos é uma obra audiovisual construída integralmente por material encontrado na internet. Caleidoscópio humano, retrato de uma civilização onde todos são, ao mesmo tempo, produtores e receptores de conteúdo. Os registros que produzimos sobreviverão por muito mais tempo do que nós mesmos. "TERRAQUEOS – vestígios de uma era digital" é uma oferenda ao futuro, é uma homenagem ao presente que rapidamente se transforma em passado.


TERRAQUEOS - vestígios de uma era digital (2014)
CONCEPÇÃO, PESQUISA E MONTAGEM: Frederico Ruas
PRODUÇÃO EXECUTIVA: Pedro Guindani
ASSISTÊNCIA DE PRODUÇÃO: Gabriela Amadori
DESENHO DE SOM / TRILHAS: Gustavo Foppa

Uma realização: Anti Filmes

Financiamento:
FAC/RS - Fundo de Apoio à Cultura do Rio Grande do Sul.

Duração: 87min
Classificação: 18 anos.

sexta-feira, 21 de março de 2014

Filme alemão na primeira Sessão Plataforma do ano


A primeira Sessão Plataforma de 2014 acontece nesta terça-feira, 25 de março, às 20h30, na Sala P. F. Gastal da Usina do Gasômetro (3º andar), com reprise no sábado, 29 de março, às 17h30. Na ocasião, será apresentado o filme alemão A Doença do Sono, de Ulrich Köhler, premiado com o Urso de Prata no Festival de Berlim de 2011. A exibição é em 35mm, com legendas eletrônicas em português, numa realização conjunta com o Goethe-Institut. O ingresso custa 3 reais.

Ebbo e Vera Velten moram há muito tempo na África, onde ele coordena um programa para pessoas que sofrem de transtornos do sono. Seu trabalho lhe basta. Mas Vera sente-se cada vez mais desconfortável com a vida na comunidade exilada de Yaounde e com a distância da filha Helen, de 14 anos, que estuda na Alemanha. Para não perder a mulher que ama, Ebbo precisa desistir de sua vida na África. Mas ele se torna um estranho na Europa, e seu medo de voltar aumenta com o passar dos dias. Anos depois, Alex Nzila, um jovem médico francês de origem congolesa, viaja a Camarões para avaliar o desenvolvimento de um projeto. Lá, em vez de encontrar novas ideias, ele se depara com um homem perdido e destrutivo. Como um fantasma, Ebbo se afasta de seu avaliador.


A Doença do Sono (Schlafkrankheit)
dir: Ulrich Köhler, 91min, ALE/FRA/HOL, 2011.

- 61ª Berlinale - Berlin International Film Festival - Competição Oficial. Prêmio Urso de Prata (Melhor Diretor)

- 49º New York Film Festival.

- 55º BFI London FIlm Festival.

- CPH:PIX 2011.

- 13º BAFICI 2011.




25 de março, 20h:30, exibição em 35mm com legendas eletrônica em português.
Reprise única: 29 de março, 17h:30.




 
Em Julho de 2013, a PLATAFORMA foi criada pela Tokyo Filmes e Livre Associação, impulsionados por uma vontade de arejar o cenário cultural e cinematográfico gaúcho, aproximar realizadores locais, dividir experiências em outros eventos internacionais e trabalhar para a inserção do Rio Grande do Sul no circuito internacional que hoje pensa e atua na hibridização e horizontalização dos mecanismos e formas de realização. Acima de tudo, uma vontade dos realizadores destas duas produtoras de estreitar relações com cineastas e cinematografias de outras cidades, estados ou países.
Em agosto de 2013, iniciou a SESSÃO PLATAFORMA realizada em parceria com a Coordenação de Cinema e Vídeo da Secretaria de Cultura de Porto Alegre e exibiu mensalmente ao longo do segundo semestre na Sala PF Gastal 07 filmes inéditos na cidade oriundos de diferentes países do mundo e com raras exibições anteriores no Brasil. Obras que estrearam nos principais festivais internacionais como Cannes, Berlin, Locarno, Rotterdam e Veneza , mas que  infelizmente não haviam conseguido espaço merecido no circuito exibidor da cidade. Entre os filmes, destaque para THE ACT OF KILLING de Joshua Oppenheimer, ROOM 237 de Rodney Ascher, BESTIAIRE de Denis Côté e AVANTI POPOLO de Michael Wahrmann.